Tatiana Barbosa Ferrari - Terapeuta Ocupacional

Rua Alberto Faria - Jaraguá Office - Jd. Brasil
19 - 98399-8565
proauti@gmail.com

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O autismo de Temple Grandin

Ontem assisti um filme que aborda o tema “Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) – Autismo”. Fiquei pensando como a comunidade, principalmente a escolar, desconhece os diversos métodos de lidar com a criança portadora de autismo. O filme “Temple Grandin” mostra como o autismo guiou uma jovem americana ao brilhantismo no ramo da pecuária. É uma história real e fascinante.
Temple Grandin, nascida em 29/08/1947 em Boston, Massachusetts, e atualmente é  professora da Universidade Estatual do Colorado, onde ensina o comportamento animal. É  uma das grandes especialistas no manejo de animais para abate, fazendo projetos de matadouros que favorecem o bem estar animal. Ela recebeu seu Ph.D. em Ciência Animal da Universidade de Illinois e publicou livros como Thinking in Pictures.
É um grande defensora dos animais, especialmente dos explorados pela indústria do gado. Ela reformou matadouros e fazendas em todo os Estados Unidos em defesa de uma vida digna e morte sem sofrimento desnecessário dos animais. Considera que as medidas que contribuem para o animal, fazem da indústria uma exploração segura, eficiente e rentável. 


Temple nasceu autista e seu jeito peculiar de pensar, seu comportamento antissocial e agressivo, eram mal vistos por professores e colegas de escola na infância. Ela tinha dificuldade de aprender certas coisas, porque as coisas para ela seguiam uma lógica particular.  
O filme conta mostra a perspectiva de mundo conseguida através do autismo, como Temple via a realidade e as imagens em sua mente. A atriz Claire Danes ficou irreconhecível para encarnar Temple, recomendo que assista pela tremenda lição que Temple nos oferece sobre as riquezas que podem existir mesmo onde não estamos acostumados a enxergá-las.

UMA FRASE DO DO FILME FICOU GRAVADA EM MINHA MENTE, ELA DIZ QUE “É DIFERENTE DOS OUTROS, MAS NÃO INFERIOR”.


Nenhum comentário:

Postar um comentário